AdoteUmCara.com.br

Anne Frank

Quando criança, Anne Frank queria ser escritora ou jornalista, sua curiosidade a levou a conversar com as pessoas e a querer saber mais sobre certas coisas que chamavam sua atenção. Infelizmente, sua vida foi interrompida pela perseguição anti-semita durante o Holocausto.

Annelies Marie Frank nasceu em 12 de junho de 1929 em Frankfurt, Alemanha. Ela viveu com sua irmã mais velha Margot e seus pais Otto e Edith Frank. Em 1933, quando Anne tinha apenas 6 anos de idade, Adolf Hitler e o Partido Nacional Socialista anti-judeu tomaram o poder. A família Frank decidiu fugir para Amsterdã, na Holanda, na esperança de uma vida melhor.

Anne rapidamente se acostumou com sua nova casa, aprendeu o idioma e começou a frequentar a escola. Junto com sua família, eles se sentiram muito confortáveis com a segurança e as oportunidades que este país lhes oferecia. Mas um dia tudo mudou quando a Alemanha nazista invadiu a Polônia em 1939 e a Segunda Guerra Mundial começou. Pouco tempo depois, os nazistas invadiram a Holanda. O exército nazista começou a aplicar novas leis que restringiam a mobilidade judaica. Os membros da religião não podiam mais visitar locais de negócios não judeus, e as crianças tinham que frequentar escolas separadas e usar uma Estrela de Davi para identificação.

Em 5 de julho de 1942, a irmã de Anne, Margot, recebeu uma chamada para se apresentar em um campo de trabalho na Alemanha. A família temia por suas vidas, por isso decidiram se esconder no "Anexo Secreto" atrás de um escritório em vez de se reportar ao acampamento. O esconderijo durou dois anos e, pouco antes disso, Anne recebeu um diário como presente pelo seu 13º aniversário. Enquanto se escondia com sua família, ela começou a escrever suas experiências, pensamentos e sentimentos. Ela também contava histórias e começou um romance sobre sua vida.

Infelizmente, em 4 de agosto de 1944, o esconderijo da família foi descoberto pela Polícia Secreta do Estado Alemão. Os Franks foram presos e enviados ao acampamento Westerbork no dia 8 de agosto do mesmo ano. Um mês depois, em 4 de setembro, eles foram colocados em um trem com 1.019 outros judeus e transportados para Auschwitz, na Polônia. Uma vez lá, os homens e as mulheres foram separados, e Anne e sua irmã Margot foram selecionadas para o trabalho manual por causa de sua idade.

No final de outubro de 1944, Anne e sua irmã Margot foram transportadas para outro campo de concentração no norte da Alemanha chamado Bergen-Belsen. As condições de vida neste campo eram ainda piores, e muitas pessoas morreram de fome ou de doenças. As duas irmãs contraíram tifo e morreram em março de 1945, algumas semanas antes de o exército britânico liberar o acampamento em 15 de abril. Sua mãe Edith também morreu no início de janeiro de 1945 no campo de Auschwitz.

O exército soviético libertou Auschwitz em 27 de janeiro de 1945, e o pai de Anne, Otto, foi o único da família a sobreviver. Quando ele foi libertado, foi com grande dor que ele percebeu que toda a sua família estava morta. Entretanto, ele voltou à Holanda e descobriu que seu amigo Miep Gies conseguiu manter o diário de Anne antes que os nazistas destruíssem seu esconderijo. Otto leu cuidadosamente o trabalho de sua filha, editou-o e compilou partes dele na tentativa de satisfazer o desejo de divulgação que a menina possuía antes de morrer.

No início, Anne começou a escrever sem a intenção de ser lida por ninguém, mas um dia ela ouviu o Ministro da Educação holandês convidando as pessoas a guardarem lembranças do que estava acontecendo. Depois de ouvir estas palavras, a adolescente decidiu que, quando tudo acabasse, ela escreveria um romance baseado em seus diários. Ela reuniu todo o material que tinha e começou a polir e reescrever partes dele. Ela não parou de alimentar seu diário com o que estava acontecendo em sua vida.

O diário foi publicado em junho de 1947. O livro cresceu em popularidade e mais tarde foi traduzido para mais de 70 idiomas. Otto esperava que os leitores tomassem consciência dos perigos da discriminação, do racismo e do anti-semitismo. Em 1960, o anexo secreto onde a família estava se escondendo tornou-se um museu chamado Casa Anne Frank.

Se gostou deste artigo, você vai gostar também de:

Marie Curie: a primeira mulher a ganhar o prêmio Nobel
back to top