AdoteUmCara.com.br

Quando a pintura imortaliza o amor - Parte II

Estamos de volta com nossa imersão no coração dos melhores artistas, aqueles que deram vida a pinturas memoráveis onde o amor foi eternamente capturado.

Compartilhamos com você alguns de nossos outros favoritos para que você possa continuar a ser inspirado pelo amor.

Claude Monet e Camille Doncieux

Claude Monet foi um pintor francês, pai do impressionismo. Em 1865, ele conheceu a mulher que inspirou suas mais belas obras, Camille Doncieux. Ela rapidamente se tornou sua musa e a pintura “Mulher de Vestido Verde” expressa claramente seus sentimentos por esta garota de 18 anos. Já noiva de outro homem, a doce Camille deixou tudo para se tornar a esposa de Claude Monet, mãe de seus dois filhos e sua modelo favorita.

Sua vida se assemelha a um conto de fadas boêmio, cheio de romantismo, liberdade e exaltação artística. Cativado por sua beleza e espontaneidade assertiva, ele nunca deixou de representá-la em seus quadros, onde ela tinha um lugar central. A paixão ardente foi aniquilada quando Camille foi diagnosticada com câncer de útero. Querendo capturar cada momento de sua vida restante, Monet pintou-a freneticamente, chegando ao ponto de pintar seu último suspiro em seu leito de morte.

Cada pincelada tornava seu amor divino e perpétuo. Camille continuou sendo sua musa mesmo depois dele ter se casado com sua nova esposa.

Mulher de Vestido Verde (1866), Claude Monet

Gustave Klimt e Emilie Flöge

Gustave Klimt era um pintor simbolista vienense. Ele era um grande sedutor e se apaixonou pela estilista Emilie Flöge, cuja irmã era casada com seu irmão.

Preferindo manter seu amor em segredo, Klimt sucumbiu em seus quadros onde fez de Emilie sua amante apaixonada e divina. Descrita em numerosos quadros, ela foi considerada pelo pintor como "sua musa eterna". Ele estava cativado por tudo nela.

O Beijo (1907-1908) é uma pintura icônica do mestre, na qual Emilie é a modelo, e é um verdadeiro hino ao amor. Contemplamos a fusão de dois corpos que se abraçam sob uma chuva dourada. Inundados de amor, os amantes parecem estar sozinhos no mundo, embalados pela ternura e pela paixão.

No final, este trabalho talvez resuma a natureza da relação de Gustave Klimt com Emilie Flöge, duas almas bêbadas de desejo que preferiam a eternidade a um presente frustrado.

 

O Beijo (1907-1908), Gustave Klimt

Frida Kahlo e Diego Rivera

Frida Kahlo é uma reconhecida pintora mexicana. Em 1927, ela se aproximou de seu alter ego Diego Rivera aos pés de um cadafalso. Ele era um pintor e juntos compartilharam seu amor pelo México e suas cores. Ela o viu como um mentor e ele ficou impressionado com a força e o talento dela. De fato, Frida, afligida pela poliomielite e incapacitada pelas consequências de um acidente, pintou mesmo em seu leito para amenizar o sofrimento.

Diego rapidamente se apaixonou por sua energia. Dela e de seus quadros, ele disse: "Eles transmitem uma sensualidade vital enriquecida por uma faculdade de observação impiedosa, porém sensível. Era óbvio para mim que esta garota era uma verdadeira artista".

Eles se casaram em 1929, mas sua história foi marcada pelas infidelidades de Diego e pelas aventuras de Frida em resposta às suas numerosas traições. Apesar disso, o casal se dedicou a um amor raro e verdadeiro. Após o divórcio, eles se casaram novamente em 1940 e Diego jurou fidelidade a ela. Ele permaneceu ao lado dela, como na pintura Frida e Diego Rivera (1931), e permaneceu sua rocha, seu ombro, seu amado, acompanhando-o até sua última viagem.

 

Frida e Diego Rivera (1931), Frida Kahlo

Gustave Courbet e Virginie Binet

Gustave Courbet foi um pintor e escultor francês, líder do movimento realista. Em 1840, aos 22 anos, ele conheceu Virginie Binet, 11 anos mais velha. Apaixonada, ela o seguiu até Paris e se tornou sua modelo em numerosas criações e desenhos.

O quadro "Os Amantes Felizes" (Les Amants heureux ou La Valse, 1844), mostra Courbet apaixonado e Virginie completamente cativada. O amor deles, como uma valsa, os leva ao ritmo da felicidade. Entretanto, em busca de reconhecimento profissional, ele gradualmente começou a se distanciar da sua parceira e de seu filho. Cansada do comportamento de seu amado, que se recusou a se casar mesmo após mais de dez anos juntos, Virginie o deixou.

Embora, a princípio, parecesse aceitar esta separação, o pintor ficou devastado, e expressou seu sofrimento em seu auto-retrato O Ferido, que ele pintou novamente após a separação deles. Virginie, em quem ele descansou pacificamente na primeira versão, é apagada, simbolizada por uma ausência cruel e destrutiva. Incapaz de manter o amor de sua vida, Courbet manteve este quadro até sua morte em 1877. Uma última homenagem à sua musa falecida.

Os amantes felizes ou A valsa (1844) - Gustave Courbet

Se gostou deste artigo, você pode gostar também de:

Quando a pintura imortaliza o amor - Parte I

back to top