AdoteUmCara.com.br

AdoteUmCara.com.br

Evita Perón, de atriz a Primeira Dama da Argentina

María Eva Duarte de Perón, atriz, política, sindicalista e filantropa argentina, a última de cinco filhos ilegítimos, nasceu em 7 de maio de 1919, em uma humilde aldeia chamada Los Todos. Também conhecida como a segunda esposa do Presidente Juan Domingo Perón e Primeira Dama da Argentina desde 1946 até sua morte em 1952.

Os anos que ela passou em Los Todos serviram para fortalecer seu caráter. Sua infância foi marcada principalmente pelo abandono de seu pai e, mais tarde, por sua morte. Ela a passou sem brincar com crianças da mesma idade no vilarejo já que era discriminada por ser uma criança ilegítima. Evita viveu no limbo entre a solidariedade dentro de sua família e a vergonha de pertencer a ela.

Todos os acontecimentos que ela vivenciou durante sua adolescência deram origem a um sentimento de indignação diante da injustiça.

Nos anos seguintes, sua irmã Elisa foi transferida para Junín para trabalhar e foi lá que a vocação artística de Evita começou a emergir. Ela tinha vários ídolos cinematográficos e era a melhor da sua turma na matéria de atuação. A partir daquele momento, ela estava cada vez mais convencida de que seu destino era se tornar atriz.

Aos dezesseis anos, ela se mudou para Buenos Aires, onde começou sua carreira como atriz, tanto no palco, quanto no rádio e no cinema. Uma vez na cidade com sua mãe, ela fez uma audição para a Rádio Nacional, e então o diretor Pablo Osvaldo Valle lhe ofereceu um contrato. A partir de então, Evita se instalou na capital.

O início de sua carreira de atriz foi instável. Sua primeira experiência no teatro foi dada a ela pelo diretor de Vedia. A crítica estava sempre pronta para ela, e ela não recebia adjetivos melhores do que "discreta". Após um período infeliz sem trabalho no horizonte, ela foi contratada pela empresa de Pepita Muñoz. Infelizmente, durante uma turnê, o ator José Franco ameaçou despedi-la se ela não atendesse às exigências sexuais dele. E por isso, uma vez de volta a Buenos Aires, ela acabou por deixar a empresa.

Em 1944, ela conheceu Juan Domingo Perón e, ao mesmo tempo, a Argentina atravessava um momento de migração interna e de transformação econômica, social e política. Por outro lado, a carreira artística de Evita continuou a se expandir e ela também foi nomeada presidente da Associação Radical Argentina.

Depois de seu casamento com Perón, ele estava ocupado com uma campanha eleitoral. Evita foi com ele e esta foi uma grande novidade dessas viagens, pois até então nenhuma esposa havia acompanhado seu marido em um evento como este.

Em 1946, uma vez que seu marido Juan Perón foi eleito Presidente da Argentina, ela contribuiu para suas políticas sociais e nacionalistas. Graças a isso, Evita ganhou poder suficiente para defender a causa dos direitos dos mais pobres e dos trabalhadores.

1947 foi um ano de grande sucesso para a Argentina. Graças à mediação de Evita Perón, o direito de voto foi estendido às mulheres pela primeira vez em qualquer país americano. Esta foi uma vitória tanto para ela quanto para o país, que estava a caminho de se tornar uma verdadeira democracia moderna.

Evita ganhou o reconhecimento de direitos políticos e civis iguais para homens e mulheres. O compromisso de Evita com a dignidade das mulheres foi constante e a levou a fundar o Partido das Mulheres Peronistas em 1949.

O trabalho de Evita dentro do governo peronista foi direcionado para a assistência social com o objetivo de combater a pobreza. Em 8 de julho de 1948 ela criou a Fundação Eva Perón, que trabalhou para melhorar as condições de vida de crianças, idosos, mães solteiras e mulheres das camadas mais pobres da população. A Fundação conduziu muitas atividades sociais incluindo a construção de hospitais, casas de repouso, acampamentos de verão e assistência a mulheres.

Em 1951 teve início a campanha oficial para a candidatura presidencial Perón-Eva. Muitos sindicalistas pediram ao Perón que Evita fizesse parte da comissão. Por outro lado, Evita queria um lugar como candidata à vice-presidência. Isto preocupou muito os líderes militares, que não consideravam o cargo adequado para uma mulher. Apesar do grande apoio da classe trabalhadora e das mulheres peronistas, Evita decidiu desistir do cargo de vice-presidente em potencial, pois sua saúde estava se deteriorando. Após um ano de luta para se recuperar, ela faleceu em 1952.

Graças à sua imagem ativa, sua figura ainda é objeto de veneração popular na Argentina, protagonizada em numerosas celebrações póstumas como o musical Evita, de Hollywood.

Se você gostou deste artigo, vai gostar também de:

Malala Yousafzai: a vencedora Nobel mais jovem do mundo

back to top