AdoteUmCara.com.br

AdoteUmCara.com.br

Billie Jean King de jogadora de tênis a feminista

Billie Jean Moffitt nasceu em 22 de novembro de 1943 em Long Beach, Califórnia; seu pai, Bill, era bombeiro e sua mãe, Betty, uma dona de casa. A família Moffitt sempre esteve envolvida com esportes: Bill, antes de se tornar bombeiro, jogou na NBA, e Betty era uma excelente nadadora. O irmão de Billie Jean, Randy, jogou durante 11 anos por vários times da Liga Principal de Beisebol (MLB). 

O primeiro esporte de Billie Jean foi o basquete. Depois ela começou a jogar softball, e aos 10 anos de idade ganhou um campeonato da cidade com seu time. Quando começou a quinta série, ela perguntou a seu pai quais esportes poderia praticar para continuar tendo sucesso. Seu pai mencionou o tênis. Desde o momento em que pegou uma raquete em sua mão pela primeira vez, Billie Jean sabia que ela era feita para o tênis.

O jovem atleta tinha objetivos bem complexos. "Eu pretendo ser a número um no mundo", disse ela. No entanto, ela logo percebeu que o nível de demanda das jovens tenistas femininas é muito diferente do dos homens. Durante um torneio no Los Angeles Tennis Club em 1955, a jogadora foi excluída de uma foto do time de jovens tenistas porque estava usando bermuda em vez da tradicional saia de tênis. Billie Jean não estava disposta a ceder às normas e decidiu tomar medidas contra a desigualdade de gênero no esporte.

A jogadora chamou a atenção em 1958, quando foi a vencedora da sua faixa etária no campeonato do sul da Califórnia. Um ano depois, ela começou a jogar tênis profissionalmente e foi treinada pela ex-tenista Alice Marble. Enquanto isso, Billie Jean se formou na California State University em Los Angeles e trabalhou como professora de tênis. Em 1965, ela se casou com o estudante de direito Larry King.

Em 1961, a tenista ganhou fama internacional quando ela e Karen Hantze Susman se tornaram o par mais jovem a conquistar o título de dupla em Wimbledon. Entre 1961 e 1979, Billie Jean ganhou um recorde de 20 títulos de Wimbledon, 13 títulos americanos, quatro títulos franceses e dois títulos australianos, elevando seu total para 39 títulos do Grand Slam. Em 1972, ela ganhou o Open dos EUA, o Open da França e o Wimbledon, ganhando três títulos do Grand Slam em um ano.

Fora da quadra, Billie Jean fez campanha por recompensas financeiras iguais em eventos de homens e mulheres. Em 1973, no auge de sua carreira, Billie Jean usou sua posição para criar a Associação Feminina de Tênis. Graças à sua luta, o US Open se tornou o primeiro grande torneio a oferecer prêmios em dinheiro iguais para ambos os sexos. 

A campanha pela igualdade salarial ganhou uma audiência mundial de mais de 90 milhões de pessoas quando Billie Jean enfrentou o tenista e autoproclamado chauvinista masculino Bobby Riggs na "Batalha dos Sexos". Bobby alegou que o jogo das mulheres era inferior ao dos homens, e Billie aceitou seu desafio para provar que ele estava errado. Ela derrotou Riggs em quatro sets de 6-4, 6-3, 6-3, 6-3, 6-3, e nenhuma partida de tênis, antes ou desde então, jamais foi assistida por um público tão grande.

Enquanto Billie Jean desfrutava de um sucesso incrível em sua vida profissional, sua vida pessoal estava para ficar sob escrutínio nacional. A tenista percebeu que gostava de mulheres e começou uma relação secreta com uma mulher no início dos anos 70. Uma década depois, em 1981, Billie Jean admitiu publicamente que era lésbica e, como resultado, perdeu todos os seus contratos.

A jogadora, no entanto, não estava disposta a desistir e assumiu outra luta, desta vez contra a homofobia. Após divorciar-se de Larry em 1987, Billie Jean iniciou um relacionamento com Ilana Kloss. O casal se estabeleceu em Nova York. A tenista e Ilana permaneceram amigas de Larry e sua família.

Em 12 de agosto de 2009, o Presidente Barack Obama lhe concedeu a Medalha Presidencial da Liberdade, o mais alto prêmio civil dos Estados Unidos, por seu trabalho em favor das mulheres e da comunidade LGBTQ+. No entanto, Billie Jean não tem a intenção de descansar sobre seus louros. Hoje, aos 78 anos, ela continua a lutar incansavelmente contra a injustiça e a discriminação em todo o mundo.

 Se gostou deste artigo, você vai gostar também de:

Sofka Skipwith: a princesa que lutou contra o nazismo

back to top